Arquivo da categoria: Escrita não criativa

Paginário: Escrita não-criativa em exposição

paginario

Por Débora Molina

Em um outro post meu, Ladrão que rouba ladrão, inicio com uma imagem bastante convencional à escrita literária: a figura do autor, solitário, em frente ao papel em branco, à espera de inspiração. Esse figuração da autoria,  ainda  muito presente no imaginário contemporâneo, pode ser pensada de forma diferente se consideramos o autor como uma espécie de  gênio não-original, como afirma Marjorie Perloff. O escritor não original produz novas narrativas a partir da seleção, cópia e colagem de textos literários já existentes, técnica que já foi nomeada pelo também poeta Kenneth Goldsmith de “escrita não-criativa” ou escrita  remix, baseada na operação de  cut up.

 É desta forma que o autor carioca Leonardo Villa-Forte e criador do blog MixLit – O Dj da literatura escreve sua literatura e pode ser pensado como um gênio não original. O blog é um projeto inspirado na técnica de sampler, recurso de edição e seleção de músicas utilizado por Djs, que resulta na composição de uma nova música a partir de fragmentos de outras. Segundo Villa-Forte, a ideia surgiu no momento em que lia cerca de 10 livros em conjunto, quando percebeu que alguns fragmentos de um livro, poderiam ter ligação com fragmentos de outros. Foi então, que teve a ideia de construir um blog na internet, para publicar seus textos: a partir da apropriação de fragmentos de textos literários alheios.

 MixLit 62: Ainda hoje
Com um semblante consternado1, ela se inclinou, deu-me um beijo e murmurou:
“Você está com aquele seu olhar de órfão novamente.”2
“Não”3, eu disse, também pesando cuidadosamente.4
______________________________________________________________________
1 Josué MONTELLO. O camarote vazio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990, p.34.
2 Alain DE BOTTON. Ensaios de amor. Tradução de Fábio Fernandes. Rio de Janeiro/Rio Grande do Sul: Rocco/L&PM, 2001, p.107.
3 Machado de ASSIS. Quincas Borba. Rio de Janeiro: Garnier, 1998, p.207.
4 Péter ESTERHÁZY. Os verbos auxiliares do coração. Tradução de Paulo Schiller. São Paulo: Cosac Naify, 2011, p.19.

Além do blog Mixlit, em 2014, Leonardo Villa-Forte,  iniciou um projeto coletivo junto com Rodrigo Lopes chamado Paginário, uma espécie de mural construído com colagens de páginas de diferentes livros de diversificados autores, as páginas são enviadas por variadas pessoas e o remix literário é feito por meio do destaque de trechos na página em exposição.

pagi1

pagi2

No projeto Paginário, o texto literário é reinventado, recriado e ganha um outro formato: o mural, o que pode ser pensado como uma desterritorialização da forma como lemos e entendemos literatura. O leitor é também um pouco espectador, pois posta-se diante de um painel com diferentes recortes de textos em um espaço público que lhe oferece uma nova aventura muito diferente de outra figuração moderna da leitura associada à solidão e ao silêncio.

Em seu livro Pós produção, Nicolás Bourriaud entende que a produção artística contemporânea passa por um processo que o crítico nomeia de pós-produção. Bourriaud conclui que hoje os materiais artísticos não são mais elaborados através de uma matéria bruta, mas por meio dos materiais já existentes, já confeccionados. E, deste modo a palavra pós não atribui um teor negativo ao recurso, mas apenas uma aplicação de uma reelaboração, utilização, curadoria da matéria artística inscrita na história. Portanto, para o crítico, o produto artístico contemporâneo não se coloca como acabado “mas como um local de manobras, um portal, um gerador de atividades. Bricolam-se os produtos, navega-se em redes de signos, insere-se suas formas em linhas existentes”, afirma o crítico.

O procedimento de escrita não-criativa procura utilizar os produtos que já estão aí, em circulação. Neste processo o que importa mais é a criação a partir da curadoria e seleção e montagem destes materiais do que a invenção dada por uma gênio criador. O que parece bastante curioso é que a atuação do autor de escrita não-criativa coloca em xeque a condição da autoria entendida como gênio ao brincar com as palavras dos outros e criar uma nova forma de produzir Literatura.

Anúncios

Ladrão que rouba ladrão…

Banksy

Por Débora Molina

Quando se fala em autoria, dentre as tantas imagens capazes de representar o trabalho do autor, é possível imaginar um sujeito solitário em frente ao computador, ou máquina de escrever, olhando para a página em branco à espera de inspiração. Embora palavras como inspiração e genialidade tenham surgido no contexto do século XVIII e sido desconstruídas ao longo do século XX, não há como negar que essa representação de autor permanece ainda muito presente em nosso tempo.

No livro, O gênio não original: poesia em outros meios no novo século, lançado no Brasil pela UFMG em 2013, a crítica norte-americana Marjorie Perloff manifesta-se a favor de uma nova concepção para o estatuto do autor e aposta na escrita não criativa, embasada em uma poética da apropriação. Partindo da defesa de uma poética conceitual, Perloff entende que a criação não depende da originalidade da escrita, mas de uma nova concepção de genialidade – um novo paradigma de criação que a autora chama de uma nova inventio, na qual o autor atua copiando, apropriando, reciclando a  produção artística de outros autores e obra. Assim, genialidade e originalidade são redefinidas: “as práticas atuais da arte têm seu próprio momento e inventio particulares, podemos desassociar a palavra original de sua parceira, a palavra gênio” (PERLOFF, 2013, p. 54).  Para apoiar tal assertiva, Perloff sustenta-se na obra do inusitado poeta conceitual Kenneth Goldsmith, professor de escrita não-criativa na universidade da Pensilvânia.

Kenneth Goldsmith, tornou-se conhecido mundialmente devido à criação e manutenção de um site chamado Ubu Web, plataforma on-line que funciona como um dos maiores acervos de materiais produzidos pela arte vanguardista, e também pela autoria do livro Uncreative writing que defende a escrita não-criativa apoiada na técnica de copiar e colar textos de terceiros. Em tom quase de manifesto, através da apropriação de uma frase escrita por Douglas Huebler, Goldsmith assume uma perspectiva artística que se concentra na arquitetura de uma poética a partir do que já existe, a habilidade de copiar, transcrever e colar: “O mundo está cheio de textos mais ou menos interessantes, eu não gostaria de acrescentar mais nada” (GOLSDSMITH, 2010).

A técnica da apropriação também encontrou seu lugar no Brasil, lançado no final de 2014, o livro Sujeito Oculto, da jornalista e escritora Cristiane Costa, rouba deliberadamente trechos de autores consagrados como Machado de Assis, Fitzgerald, Flaubert, entre outros. Na terceira e última parte, através de ensaios metaficcionais que analisam e “denunciam” o roubo de trechos e tramas de outras narrativas e os diversos sujeitos ocultos, Costa traz variados autores cujas vozes são tomadas de empréstimo  para compor o livro.

Por meio dessa apropriação, a autora parece brincar com a própria construção da autoria, que é remixada, sampleada (técnicas comuns à área musical, por exemplo).  Tal procedimento coloca em xeque as noções de originalidade e criatividade, ao menos tal como as consideramos desde o século XVIII, aproximando-se do que Goldsmith chama de  escrita não criativa ou, nas palavras de Perloff entendendo o autor como um “gênio não original”.