Arquivo da categoria: Antônio Prata

A crônica, o cotidiano e a intimidade

Vanessa Ive

2

Créditos da imagem: Autorretrato, 1979, Saint Tropez, França, de Elliott Erwitt

Os cronistas vivem à espreita de um acontecimento trivial, de um detalhe que pode passar despercebido em meio ao ritmo da vida cotidiana. É como um flâneur que percorre as ruelas boêmias das cidades para captar ‘instantes’ e revesti-los de palavras.  Nos áureos tempos da crônica, o gênero estava marcado por poesia e contemplação. O lirismo reflexivo de Rubem Braga descobre a borboleta amarela, o mar, o conde e o passarinho. Contudo, no século XXI, como sobrevive esta tradição?

O cotidiano continua sendo a matéria-prima dos cronistas cuja tarefa básica é mostrar o grandioso dentro do miúdo, o inesperado dentro do óbvio. Os cronistas contemporâneos continuam a enxergar as miudezas e a transformam o pormenor em texto literário. Aquilo que de tão miúdo só parece render um comentário curto vira uma crônica sagaz, dotada de graça e leveza. Nesta habilidade de inverter o tamanho das coisas, Antônio Prata tem se apresentado como mestre. A compra de uma meia, o gesto de tocar uma guitarra imaginária, o sustinho após ouvir uma pergunta imprecisa, a vontade súbita de abraçar uma árvore. Tudo isso virou tema de crônicas do quinto volume do autor dedicado ao gênero, Trinta e poucos, de 2016, que reúne os principais textos publicados no jornal Folha de São Paulo.

Talvez pela necessidade de estarem próximas ao leitor, as crônicas, em grande parte, são escritas na primeira pessoa do singular a ponto de Carlos Heitor Cony brincar ao dizer que o pronome corresponde ao único personagem do gênero. Como a proposta do cronista é narrar o fato sob a sua própria ótica, durante o processo, muito de si é desprendido no gesto da escrita, o que levou Afrânio Coutinho, desde o início, a definir o gênero como altamente pessoal, como uma reação individual, íntima, ante o espetáculo da vida. Ao perceber essa exposição do gênero, Clarice Lispector endereçou uma carta a Rubem Braga, indagando: “O que escrevo está se tornando excessivamente pessoal. O que eu faço?”, e recebeu a seguinte resposta: “É impossível, na crônica, deixar de ser pessoal”.

Na crônica contemporânea, a dicção é ainda mais pessoalizada e a intimidade  pode ser observada. Nos escritos de Antônio Prata, as narrativas se passam em ambientes comumente frequentados no dia a dia: a casa, o trabalho, a padaria, o supermercado, o bar, a clínica médica ou, até mesmo, o armário da cozinha – cenário da Crônica de quatro faces, sem esquecer-se do reduto da intimidade, o banheiro – cenário principal da crônica Dente por dente. Assim, os principais fatos das crônicas do autor não estão na arena norte-americana, no Planalto, nos acontecimentos mais debatidos da semana, mas na banalidade aparente da vida da qual extrai significado e humor.

A lupa do cronista para ampliar as sutilezas da vida circula na órbita da intimidade. As temáticas das crônicas de Trinta e poucos parecem acompanhar a cronologia da vida do autor: as inseguranças do primeiro encontro, os transtornos para decorar a casa, os impasses da vida a dois, a espera do primeiro filho, a dificuldade em conciliar trabalho e família, a espera do segundo filho, o avanço da idade e os típicos dilemas de quem tem trinta e poucos anos. Em uma época em que as redes sociais estimulam a exposição de si e a criação do próprio “eu”, o tratamento que a intimidade e a notação cotidiana encontram nas crônicas contemporâneas pode oferecer uma perspectiva de compreensão não apenas para a renovação do gênero, mas também uma reflexão sobre como pensamos a exposição da subjetividade no presente.

Anúncios