Arquivo da categoria: Campo literário

Um novo campo literário?

Lílian Miranda

Créditos da imagem: Arte de Maria Júlia Moreira para a revista Pernambuco

“Quantas perdas cabem na vida de uma mulher?”, assim a escritora Micheliny Verunschk inicia a orelha do livro O peso do pássaro morto, publicado pela editora Nós de autoria de  Aline Bei.  Depois de ganhar o prêmio promovido por Marcelino Freire em sua oficina-concurso, a Toca, Bei conquistou o prêmio São Paulo de Literatura 2018, na categoria de melhor livro do ano- autores estreantes com menos de 40 anos.

O peso do pássaro morto é o romance de estreia da autora paulista e narra, em primeira pessoa, a história de uma mulher sem nome, desde de seus 8 aos 52 anos, com alguns saltos temporais que se concentram nos fatos trágicos e nas perdas que a personagem sofre ao longo da vida. No livro, são abordados temas delicados e muito debatidos nos últimos tempos como estupro, gravidez na adolescência, machismo, o papel da mulher na sociedade e também questões subjetivas que tratam da situação psicológica da personagem, suas escolhas ao longo da vida e as consequências oriundas delas.

Não é possível falar sobre o livro de Bei e deixar de comentar sua forma, já que o livro é inteiramente escrito em fragmentos (que lembram versos), que impõem ao leitor um ritmo “quebrado” de leitura:

quando um bebê

nasce

é preciso contar para ele que bebês

também morrem

e o caixão

é sempre branco. ainda assim

quando um bebê nasce

uma Flor brota

no peito e sai

pelo leite da mãe.

é assim que os bebês crescem (p.64)

A história provoca um forte efeito de verossimilhança, pois muitas das agruras presentes na vida da personagem são as que estão presentes hoje em nossa sociedade. Também por isso, o romance recebe uma ótima aceitação do público, virando rapidamente leitura obrigatória entre clubes do livro, bookgrams e booktubers. Vide entrevista da autora para o canal LiteraTamy: https://www.youtube.com/watch?v=bohKftiJYQw&t=309s

Mas há um outro elemento que é surpreendente: a forma como o livro é promovido pela própria autora, que se engaja no merchandising da obra. Aline Bei usa o quanto pode as redes sociais como ferramenta para divulgação e venda do seu livro. Qualquer pessoa que interaja com seus posts na internet, curtidas, compartilhamentos e comentários, ou apareça em algo relacionado à literatura no Instagram, recebe automaticamente uma mensagem convidativa oferecendo o link para compra de seu Pássaro Morto. A estratégia deu certo, pois o livro esgotou a primeira edição graças a esse cheek to cheek virtual.

Pensando nas discussões teóricas atuais sobre a literatura, é possível dizer que o livro e a atuação de Bei tornam possível pensar dois postulados apresentados pela crítica argentina Josefina Ludmer em seu texto “Literaturas Pós-autônomas” (2000). O primeiro deles diz que esse novo regime da literatura representa “o fim das lutas pelo poder no interior da literatura”, representando por tabela, o fim do campo literário, tal como proposto pelo sociólogo francês Pierre Bourdieu. O segundo pressuposto de Ludmer é o que afirma que as literaturas pós-autônomas “fabricam um presente”.

Na pesquisa que empreendo, utilizo o livro de Aline Bei para colocar à prova essas premissas, investigando melhor a noção de campo literário e observando alguns elementos relacionados à noção de literatura contemporânea, em especial o modo como o autor surge, como começa uma carreira literária e como insere seu nome de autor e sua obra no campo literário.

“É metafísica ou putaria das grossas”: Hilda Hilst e o mercado de livros – anotações iniciais

Newton Leite Campos

No ano de 1990, Hilda Hilst se rebelou. Ou recuperando expressão da própria escritora à época: a santa resolveu levantar a saia. Com o Caderno Rosa de Lori Lamby, (que compõe uma tetralogia com os títulos Contos D’Escárnio/Textos Grotescos, Cartas de um Sedutor e Bufólicas), Hilda Hilst dá início à publicação de um conjunto de livros responsável pela imagem de pornógrafa midiaticamente construída e cristalizada em torno da multifacetada escritora, que descontente com a invisibilidade de sua obra por parte do grande público, investe na escrita de “adoráveis bandalheiras”.

A própria Hilst não se escusava de apresentar a tetralogia como mera tática mercadológica, uma maneira de invadir o mercado editorial e também de enfim ganhar algum dinheiro com seus livros (a autora tinha na literatura uma profissão, a despeito de ser formada em Direito, não exercia outra atividade além de escrever), um ato de agressão que pretendia chamar a atenção dos leitores, mas, sobretudo dos editores, personagem-vilão que sistematicamente reaparece em três dos quatro volumes que compõem a tetralogia e que proíbe o ato de criação/pensamento do artista.

Quem não acatou a nova empreitada da obscena e criticamente respeitada senhora Hilst foi Leo Gilson Ribeiro, durante anos grande divulgador da obra hilstiana a ponto de considerá-la “o maior escritor vivo em língua portuguesa”. Eu e não outra – a vida intensa de Hilda Hilst, recente trabalho biográfico realizado pelas jornalistas Laura Folgueira e Luisa Destri, recupera alguns episódios interessantes: presente na reunião que Hilda organizara em sua casa para leitura de trechos do Caderno Rosa, o crítico literário Leo Gilson, aborrecido com o texto que escutava, pontificou: “o seu castigo vai ser o meu silêncio.” Massao Ohno, editor responsável pela primeira edição do Caderno Rosa de Lori Lamby, também concordava que o livro em questão se tratava de uma “subliteratura”. Caio Graco Prado, da Editora Brasiliense, que havia publicado o título hilstiano Com meus olhos de cão (1986), se recusou a publicar o Caderno Rosa, já que na sua avaliação o texto era “escabroso”. Três exemplos, portanto, que ratificam a ideia de que “a santa resolveu levantar saia”, alardeada pela própria Hilda Hilst.

Recém-ingresso no Mestrado em Literatura e Cultura (UFBA), tenho me dedicado a investigar a conturbada relação de Hilda Hilst com o mercado editorial brasileiro, considerando o estudo sobre a tetratologia obscena. Nesse momento inicial da pesquisa, sobram perguntas acerca do corpus: “É metafísica ou putaria das grossas” (pergunta que a própria autora lança num dos volumes da tetralogia e que intitula este post)? Estratégia de mercado, resposta desaforada aos editores, uma banana em forma de livro (como a própria autora também asseverou em entrevista a TV Cultura por ocasião do lançamento do seu Caderno rosa)? Show de humor e cinismo no qual o próprio mercado editorial é o principal personagem obsceno? Em que medida atacar os agentes do campo não significa também uma estratégia de inserção? Tentativa de ampliar o seu público leitor? Corte, inauguração de outra, novíssima fase no interior de sua obra? Reflexão-recusa-deboche do caráter comercial da literatura?

Questões que apontam para nuances instigantes para pensar o relacionamento de Hilda Hilst com o campo literário. Levantamento realizado por Destri e Folgueira, autoras da mais recente biografia da escritora, aponta que o interesse midiático por Hilst literalmente explodiu após a publicação da tetralogia obscena: as biógrafas identificaram cerca de 90 reportagens sobre Hilda concentradas naquele período. As traduções de O caderno rosa de Lori Lamby para o italiano em 1992 pela Ed. Sonzogno, dos Contos de escárnio/textos grotescos para o francês em 1994 pela Gallimard e fragmentos de Cartas de um sedutor para o alemão em 2001 são também índices do interesse e ampliação da circulação do texto hilstiano.

Se podemos afirmar que durante um bom tempo a marginalidade editorial marcou o projeto literário de Hilda Hilst, assistimos a uma significativa alteração de rota no princípio dos anos 2000, quando a Editora Globo inicia a publicação de sua obra completa (que inclui poesia, teatro, prosa de ficção e crônica), permitindo ampla circulação do seu texto antes restrito a editoras menores e a um público de culto. Lembre-se ainda que recentemente a Companhia das Letras assumiu a publicação de uma reedição de toda obra poética e em prosa de ficção.

No interior desse processo de consagração, para utilizar expressão apresentada por Fernanda Shcolnik na tese Nos Rastros do Arquivo: um estudo sobre as formas autorais de Hilda Hilst, identificamos na década de 1990, com a publicação da tetralogia obscena e todos os seus desdobramentos crítico-editoriais, um momento que merece ser pesquisado com calma, é o que pretendemos fazer, perseguindo inclusive a relação da narrativa dita literária com as aparições públicas da escritora no farto material de suas entrevistas jornalísticas, e em breve retornar com novidades…