Arquivo da categoria: HIV/AIDS

“Ele não vale o risco”: a abordagem do relacionamento sorodiscordante no romance Fake, de Felipe Barenco

Ramon Amorim

Créditos da imagem: David Worjnarowicz, Sem título (série homens vendados 1), 1982

O romance Fake (2014), de Felipe Barenco, narra a transição para a vida adulta do personagem Téo e aborda sua entrada na faculdade, a relação com a família e o conturbado namoro com Davi, que se descobre vivendo com HIV pouco depois de os dois se conhecerem. Tendo o Rio de Janeiro como cenário, a narrativa aborda questões acerca do universo de jovens adultos que trafegam por universidades, shopping centers e bairros de classe média da capital fluminense.

Movida pelo interesse em investigar a temática do HIV/aids, uma das chaves de leitura desta narrativa passa pela discussão sobre relacionamentos sorodiscordantes (ou sorodiferentes), tendo em vista que é uma questão central na obra, assim como representa grande parte da hesitação do protagonista e dos seus amigos em relação ao namoro recente, tensionado pelo estado sorológico de Davi. Visto como potencialmente perigosa, a aproximação entre os dois personagens é considerada como um relacionamento de risco para Téo, que possui pouca experiência sexual e tem a sorologia negativa para HIV.

A questão do “relacionamento de risco” atravessa toda a narrativa e sua presença pode ser vista, entre outras formas, nos recorrentes conselhos dos amigos do protagonista sobre o perigo que o namoro representa para a saúde dele. O argumento, quase sempre, é construído sobre a ideia de que manter um relacionamento com alguém HIV positivo se configuraria como uma “prova de amor” e somente funcionaria se houvesse “amor de verdade”. Nesse sentido, a manutenção do namoro significa uma ameaça constante, desnecessária, sobretudo porque “O Davi não vale o risco”, como afirma um personagem.

Por essa ótica, manter um relacionamento com Davi, considerando sua sorologia, exigiria mais esforço e mais amor (o “verdadeiro”) do que em uma relação com outra pessoa, negativa para HIV. Isso leva a pensar em como os sujeitos “posithivos” são construídos socialmente como aqueles não merecedores de afeto. Enquanto isso, o sujeito “negativo” é visto como o que por amar muito consegue, com alguma dose de altruísmo, superar a presença do vírus para manter o vínculo afetivo, ou seja, um ser superior em relação a seus pares, como Téo parece se ver, apesar do seu discurso dizer algo diferente disso.

O problema desse tipo de construção é que ela coloca o sujeito com HIV na qualidade de inferior em relação aos que não convivem com o vírus, o que pode ser lido como uma forma de sorofobia. Essa prática não é exclusiva dos personagens e do narrador do romance de Barenco, ela surge de forma recorrente em diversas narrativas brasileiras. Pode-se dizer que esse tipo de representação é uma constante na literatura nacional, causando surpresa apenas quando não aparece nas produções literárias.

Essa face da sorofobia, que atravessa o romance (sendo produzida inclusive pelo protagonista e seus amigos, entre eles uma jovem médica) e quase toda a produção nacional, aparece de forma mais ou menos articulada a outras. Isso faz pensar em como a representação do HIV/aids ainda recorre aos mesmos mecanismos e construções presentes desde as primeiras narrativas sobre o tema, escritas há quase quatro décadas. O que, talvez, o romance de Felipe Barenco traga de mais original seja o fato de que o personagem com HIV acaba se revelando como o antagonista da obra. Na falta de outras imagens originais, essa seja a que mais acrescenta ao imaginário produzido sobre a temática.

Publicidade

“O homossexual como perseguido pela positividade do HIV mesmo quando se encontra negativado”

Ramon Amorim

Créditos da imagem: Alejandro Kuropatwa, Untitled, Cóctel series (1996)

A associação entre a epidemia emergente na década de 1980 e os homens gays foi reforçada por diversos setores da sociedade, inclusive por profissionais do campo biomédico (e ainda está presente hoje, infelizmente). O avanço da epidemia fora dos grupos considerados de “risco” fez com que essa associação perdesse força e a noção de comportamento de risco se tornasse o fator preponderante para refletir sobre a questão do HIV/aids.

Ainda assim, homens gays têm sido o principal alvo das representações artísticas quando a temática do HIV/aids é abordada. Mesmo diante de um perfil epidemiológico diverso, literatura, cinema e mídia ainda mantêm, mesmo que de forma furtiva, essa associação entre a epidemia e determinado grupo social. Parte do interesse de minha pesquisa está ligado à exploração deste cenário e a uma situação narrativa recorrente: a ideia da ameaça da infecção por HIV como uma espécie de sombra que paira sobre os sujeitos homossexuais.

Em Você nunca fez nada errado, um relato autobiográfico publicado em 2018, Felipe Cruz refere-se à forma como sua família encararia sua sorologia positiva para HIV como “uma tragédia: a confirmação do destino”. Segundo o narrador, há dois motivos para isso. O primeiro está na identificação física e comportamental do protagonista com um tio morto ainda jovem em decorrência de doenças oportunistas associadas à aids. O outro motivo estaria na orientação sexual, que representaria condição prévia para a confirmação da presença do vírus, “o encontro inevitável com o destino”. A referência à tragédia clássica, pensada pelos primeiros filósofos gregos, acentua ainda a ideia do inescapável.

A frase que dá título a este texto é retirada do romance O complexo melancólico publicado em 2019 pelo escritor carioca Guido Arosa. A sentença expressa uma preocupação recorrente de muitos sujeitos situados na(s) experiência(s) da homossexualidade: a iminência do diagnóstico positivo para HIV. No romance de Guido Arosa, a ideia da inevitabilidade do contágio aparece em diversos momentos da narrativa fragmentada. Em um deles, personagens homossexuais, encarcerados devido a sua orientação sexual, ouvem que “serão mortos pela doença”. Em outro trecho, fica evidente a associação entre os homens gays e a epidemia: “Antes de dizer à minha mãe que tive sífilis, disse apenas que estava ‘doente’ e ela, naquele momento, me olhou como se eu tivesse Aids e sua reação tinha a certeza da minha morte”.

Ainda na narrativa de Arosa, é possível reconhecer, além da representação da relação entre homossexualidade masculina e HIV/aids, também esse “medo perpétuo” do contágio pelo vírus sobre o qual argumentei acima: “Enquanto homossexual, minha fantasia neurótica é morrer vítima do HIV”. Na narrativa, esse medo não tem qualquer elemento que o justifique, exceto a orientação sexual do narrador.

O que mais chama a atenção é o fato de que cada vez mais podemos acompanhar notícias que indicam a mudança evidente do perfil epidemiológico, porém isso não parece atingir ainda as diferentes representações do HIV/aids, nem as sociais, nem mesmo as artísticas. Assim, assumo como pressuposto de pesquisa que é preciso especular o quanto essa representação social do HIV/aids e sua associação com os homens homossexuais ajuda a construir uma representação literária ainda limitada em suas abordagens. Mesmo as narrativas que avançam na forma de dizer, ainda têm dito o mesmo, têm explorado os mesmos conteúdos. As duas narrativas comentadas brevemente neste post são exemplares neste aspecto. Elas avançam na forma como abordam a questão do HIV/aids, mas ainda exprimem um conjunto predominante de ideias sociais recorrentes sobre a questão.

Dinâmicas de silenciamento em torno do HIV/aids em Ricardo e Vânia, de Chico Felitti

Ramon Amorim

Créditos da imagem: Joan Ponç, sem título nº 26, 1953.

Lançado no ano de 2019 pela editora Todavia, Ricardo e Vânia é um livro-reportagem escrito pelo jornalista Chico Felitti e catalogado como uma biografia. Nascido a partir dos desdobramentos de uma matéria do mesmo autor publicada no site BuzzFeed, o perfil biográfico de Ricardo Corrêa da Silva (conhecido no centro da cidade de São Paulo por Fofão da Augusta) é também uma história de amor (como indica o subtítulo da obra). Ricardo e Vânia mantiveram durante anos um relacionamento que se desfez depois de muitas crises de Ricardo, dos problemas relacionados ao esquema de aplicação de silicone líquido e do fechamento do salão de beleza do qual eram donos.

Vivendo na cidade de Araraquara, interior do estado de São Paulo, Ricardo e Vânia possuíam um lucrativo negócio na área de estética até a emergência da epidemia de HIV/aids, no início da década de 80. Vânia, em entrevista para Felitti, afirma que as pessoas passaram a ter medo do casal, o que piorou a condição mental de Ricardo e causou a diminuição drástica do número de clientes que  atendiam no salão.

No relato de Felitti, é interessante observar como há diferentes dinâmicas de silenciamento sobre a questão do HIV/aids, tema importante para a história que conta. A principal delas diz respeito à solicitação, por parte de alguns entrevistados, de não falar sobre o assunto ou mesmo de retirar da narrativa qualquer indicativo que possa ser entendido como referência à questão. Esse é o pedido que Carlos, conhecido como Gugu, outra figura conhecida do centro da cidade de São Paulo e amigo de Ricardo, faz ao saber que na matéria publicada no site há um trecho em que está escrito que ele “tem uma doença incurável”. A interferência do entrevistado acaba por ser registrada no livro e o autor indica que a informação seria suprimida da versão final por não ser essencial para “entender um pouco sobre Carlos”.

Outra forma de silenciamento está na recusa em falar sobre o assunto. O próprio Carlos se mostra incomodado e não quer discutir sobre a doença citada por Felitti. Também Vânia evita encarar o tema de forma direta e busca fazer declarações mais genéricas sobre o período em que a epidemia assombrou sua estada no interior paulista. Quando ela cita a aids, como “causa mortis” de uma amiga, é o autor que não indica a quem se refere.

Por último é preciso ainda apontar a não nomeação como outra dinâmica do silenciamento em torno do HIV/aids. É perceptível como alguns dos entrevistados, assim como o próprio jornalista (vide a forma como indica a doença de Carlos), buscam desviar de referências diretas ao tema. Na maioria das vezes em que o termo “aids” aparece no relato é através do depoimento de Vicky Marroni, uma conterrânea de Ricardo. 

É interessante notar que assim como em narrativas ficcionais, o silenciamento sobre a questão aqui discutida também aparece no relato jornalístico, calcado em uma suposta verdade dos fatos. Isso aponta para o estigma ainda existente sobre as pessoas vivendo com HIV/aids, mesmo depois de quarenta anos da emergência da epidemia e das mudanças de paradigma relacionadas a ela.

As dinâmicas de silenciamento agem de forma similar nas duas formas narrativas, se na ficção há, talvez, o interesse de representar esteticamente esse estigma, no texto não ficcional aqui discutido o que se vê é efetivamente como o estigma ainda tem força e exerce papel preponderante na representação social do HIV/aids.

Representação social e literária sobre HIV/aids e as minorias de direito

Ramon Amorim

Créditos da imagem: Camila Alvite (Janus, 2019)

Ao longo de minha investigação sobre a representação do HIV/aids na literatura brasileira, é notável a ausência de produções de autoria feminina sobre o tema, bem como a limitada presença de personagens femininos nas narrativas literárias sobre HIV/aids. Esse é um reflexo do ainda pouco expressivo número de obras, lançadas por editoras de relevo e assinadas por minorias de direitos, como mulheres, pessoas negras etc. Quando me questiono sobre o modo que o tema da minha pesquisa aparece nas narrativas, surge ainda um outro problema que diz respeito a como a literatura pode também confirmar uma certa representação social do vírus e da doença, já que a maioria das narrativas sobre essa temática tem como personagens homens gays brancos jovens.

As pesquisas, porém, mostram outros dados. Nas primeiras décadas dos anos 2000, a Agência AIDS identificou que pelo menos 25% do total de casos notificados são de pacientes mulheres e, segundo dados do Boletim Epidemiológico de 2020, em 2009, a cada 15 homens diagnosticados com HIV, 10 mulheres recebiam o mesmo diagnóstico. Também a partir dos primeiros anos deste século, ainda segundo esse documento, a epidemia de HIV/aids tem alcançado um contingente de pessoas cada vez mais pobres. Essa dinâmica aponta, pela história da organização social do Brasil, de forma paralela, para o aumento do número de diagnósticos na população preta e parda, principalmente, feminina.

Diante desse cenário, é preciso questionar os motivos pelos quais a literatura ainda não se afastou daquela identidade social plasmada sobre os sujeitos com HIV/aids. Será que a conhecida desproporção histórica no número de produções literárias de autoria feminina em relação às de autoria masculina é suficiente para explicar a manutenção de um viés representacional para HIV/aids nas narrativas que reiteram preconceitos surgidos no momento da descoberta do vírus e da doença? Dizendo de outra forma: seria possível pensar que a reiterada representação literária de personagens homens brancos jovens gays com HIV e/ou aids é apenas uma consequência da forma como nosso campo literário está estruturado? Embora essa possa ser uma possibilidade concreta, acredito que é possível investir em outra hipótese.

Apesar de a investigação científica ter avançado sobre o conhecimento do vírus, proporcionando tratamentos mais efetivos para o mesmo e verificando mudanças nos perfis dos sujeitos afetados, a representação social avançou pouco, pois ainda é muito comum no imaginário social a associação entre HIV/aids e homens gays. A literatura, como parte da cultura, também produz, reitera ou cria representações sociais. Se em narrativas de autoria masculina que abordam o tema, ainda é muito comum encontrar homens gays como protagonistas, narrativas brasileiras que tematizam o HIV/aids escritas por mulheres como Depois daquela viagem, de Valéria Polizzi, e O voo da guará vermelha, de Maria Valéria Rezende, ainda associam o vírus e a doença à infelicidade, à decadência física dos portadores e à morte iminente.

Diários da AIDS (e do HIV)

Ramom Amorim

Créditos da imagem: Robert Mapplethorpe, Watermelon with Knife, 1985.

Apesar de não ser meu interesse imediato de pesquisa e de não dominar o vasto referencial teórico que trata sobre o assunto, tem me interessado perceber a presença de narrativas (auto)ficcionais em formato de diários, principalmente quando estas tematizam a questão do HIV/AIDS na literatura brasileira. Já falei aqui sobre a produção de Gabriel de Souza Abreu (pseudônimo de Salvador Correa), autor de O segundo armário: diário de um jovem soropositivo (2014). Porém, além dessa narrativa, é preciso destacar ainda Depois daquela viagem (2005), de Valéria Piassa Polizzi; Uma vida positiva (2012), de Rafael Bolacha; e A doença, uma experiência (1996), de Jean-Claude Bernardet, mesmo essa última se assumindo como romance (em forma de carta), apesar de uma estrutura interna que pode ser lida como diário.

Unidas pela mesma temática, as obras chamam a atenção pela diversidade em relação às trajetórias autorais. Na sua maioria, os autores se lançam pela primeira vez na escrita de um livro e não têm sequer qualquer experiência com uma produção escrita de maior fôlego. Por outro lado, mesmo depois de 24 anos de lançamento de Depois daquela viagem, Valéria Polizzi continua como a única autora a lançar um livro de relevo sobre a temática do HIV/AIDS, assim como Jean-Claude Bernardet cuja obra ainda é referência para se pensar o tema em relação a pessoas na terceira idade.

Como disse, mesmo que algumas narrativas possam não assumir o gênero diário, é possível identificar nelas as marcas desse gênero autobiográfico: a simplicidade, a liberdade na forma de expressar, a informalidade, o caráter confessional. Para Philippe Lejeune, principal referência no estudo das produções autobiográficas, um diário é formado basicamente, além das características indicadas acima, por um texto com indicativo de data, que registra o que a pessoa que escreve está fazendo, sentindo e/ou pensando. 

Se a produção ficcional sobre HIV/AIDS não oferece tanta diversidade quanto se deseja e espera da exploração do tema, o investimento em uma dicção autobiográfica por parte de alguns autores pode ser uma forma de observar o tratamento pessoal, quase íntimo, sem ser confessional, de expor-se por escrito de uma maneira muito próxima a anotações em um diário. 

HIV/AIDS no conto “Três apitos”, de Marcelo Moutinho

Ramon Amorim

Créditos da imagem: Alice Neel, Nancy, 1980

“Três apitos” é um dos contos presente no livro Ferrugem (Prêmio da Biblioteca Nacional, 2017), lançado pela editora Record, do escritor carioca Marcelo Moutinho. A narrativa tem como tema central a descoberta da infecção por HIV da protagonista e como este acontecimento modifica seu relacionamento afetivo e sua relação consigo mesma. Narrado em primeira pessoa, o conto busca mostrar a convivência com o vírus do ponto de vista de uma personagem feminina que tem como um dos principais projetos de vida a maternidade.

O interesse na narrativa de Moutinho diz respeito a meu primeiro momento durante a pesquisa de doutoramento, que busca mapear as formas de representação do HIV/AIDS nas produções literárias brasileiras e observar conexões entre o universo ficcional e o social.

O conto “Três apitos” oferece formas de representação da doença pouco vistas nas produções mapeadas até aqui. Entre essas questões, há três que se sobressaem pela baixa ocorrência nas produções da literatura brasileira que investiguei até agora. Chama a atenção, por exemplo, a presença da contaminação por HIV em uma mulher heterossexual vivendo em uma relação monogâmica. A questão envolvendo a presença da contaminação em personagens que trafegam no universo heteronormativo é rara nas narrativas que venho lendo. Sua presença na narrativa de Moutinho amplia o leque de subjetividades e representações relacionadas à essa temática.

Outro desvio em relação às obras que trazem representações da doença ou da contaminação pelo vírus, é o fato de que podemos acompanhar o tratamento da protagonista que utiliza medicação para controle do HIV, pois desde “Depois de agosto”, conto de Caio Fernando Abreu escrito em 1995, os medicamentos para HIV aparecem na ficção, inaugurando a “narrativa pós-coquetel”, porém quase sempre os personagens representados nesta dinâmica são homens homossexuais.

Mas talvez o mais interessante seja a discussão sobre a maternidade em uma personagem com o vírus. Antes do diagnóstico, a personagem tinha como principal projeto de vida a constituição de uma família e a geração de uma criança, o que aparentemente também era o desejo do namorado da narradora. A revelação da soropositividade dela, porém, além de causar o término do relacionamento, encerra seu sonho de ser mãe: “arquivei a ideia da maternidade. Mais do que isso, a própria ideia do amor”.

Entre tantas outras abordagens feitas pelo conto (o machismo, os efeitos colaterais dos medicamentos, a revelação da soropositividade, o abandono etc.) o protagonismo de uma personagem mulher que também é a narradora da sua história, além da discussão sobre a maternidade, talvez seja o que de mais importante a narrativa ofereça para pensar uma ampliação dos modos de representação da doença.

A presença do HIV/AIDS no romance A estrangeira, de Claudia Durastanti

Ramon Amorim

Créditos da imagem: Roger Ballen, Wounded, 2011.

“vê-lo reduzido a uma criatura de cartilagens e tendões foi o suficiente para que entendesse, ainda criança, que era aquela doença: uma impostura, um sortilégio que desvirtua o sangue”. (Claudia Durastanti, 2019)

A estrangeira é um romance italiano (a tradução para o português é da poeta Francesca Cricelli) escrito por Claudia Durastanti e publicado no ano de 2019, sendo um dos finalistas do prêmio Strega, o mais importante da literatura de língua italiana. A obra tensiona os limites entre memória e ficção, como muitas outras obras da contemporaneidade, ao propor esse jogo entre acontecimentos da vida da autora e a produção de certa ficcionalidade.

Filha de pais com deficiência auditiva, a narradora/protagonista (re)constrói trechos da sua vida e da vida dos membros da própria família a partir das memórias e das histórias que a cercam. Assim, a narrativa é carregada de temas espinhosos, a começar pela deficiência dos pais (e a estigmatização oriunda dela), a precarização financeira, os relacionamentos abusivos e, talvez o mais importante, a eterna sensação de estrangeira experimentada pela personagem.

Entre os vários assuntos que aparecem de forma colateral durante a narrativa, a presença do HIV/AIDS chama a atenção. A principal ocorrência do tema está ligada ao adoecimento do tio da narradora. A doença que acreditam ser um “câncer de pele”, por causa de um dos sintomas (o sarcoma de Kaposi), depois de exames de sangue e consultas médicas é diagnosticada como AIDS. Esta representação, ainda que lateral, aponta para um caminho diverso, se comparada com outras produções que abordam o tema. O primeiro ponto a se considerar é que o tio da protagonista, um sujeito heterossexual, “provavelmente era homofóbico”. O acometimento da doença em um personagem normativo, que difere dos estereótipos construídos sobre o tema causa uma espécie de perplexidade na narradora e aponta para um distanciamento entre o que ela vivia e a representação social a qual tinha acesso: “As informações que tínhamos sobre a aids, todas questionáveis, não batiam com as que tínhamos a respeito da vida do nosso tio Arturo”.

Outro aspecto importante a se destacar é o fato de que a confirmação da sorologia do personagem o fez ser vítima do estigma relacionado ao HIV/AIDS. Para a narradora “a doença o fez perder sua popularidade”, visto que as pessoas pararam de frequentar a casa do tio, assim como indicavam que ela deveria tomar cuidado com os objetos usados por ele e evitar qualquer aproximação física: “diziam para lavar bem os garfos e não tocar nos pentes e barbeadores do banheiro”.

Ainda que a representação do personagem com HIV/AIDS no romance se aproxime muito de outras comuns na produção literária mundial, visto que a deterioração corporal é uma imagem recorrente e a origem da infecção está relacionada a uma mulher que “teria sido prostituta e usuária de heroína”, a obra tem desdobramentos pouco vistos nas produções que abordam o tema. O fato de a doença estar presente em um membro de uma família tradicional de imigrantes italianos vivendo nos EUA, o fato dele ser um sujeito que tem um trabalho que exige força física (diferentemente dos escritores, jornalistas e redatores tão comuns em outras produções sobre o tema) e de estar tão longe do universo da homocultura são diferenciais de A estrangeira, principalmente porque apontam para uma representação mais diversa.

A abordagem do tema do HIV/AIDS na produção de Claudia Durastanti, mesmo que de forma discreta, é atual e importante pois tensiona e coloca em discussão a representação literária da doença em contraste com a sua representação social. O romance acaba por indicar que o que se crê sobre o HIV/AIDS não necessariamente corresponde aos resultados da experiência com o vírus (e/ou a doença).

A exposição pública da condição sorológica em duas narrativas ficcionais brasileiras

Ramon Amorim

Créditos da imagem: Telmo Lanes, O buraco, 2004.

A sorologia positiva para HIV tem sido um assunto abordado de forma recorrente em narrativas brasileiras. No post falei sobre alguns aspectos da questão no relato autoficcional de Gabriel de Souza Abreu. Nesta produção o autor se questiona bastante sobre para quem irá revelar sua condição sorológica e quando. Abreu tem consciência de que essa é uma informação sensível e que sua publicidade pode ocasionar todo tipo de resposta violenta e preconceituosa.

Se na obra de Abreu o manejo da informação está sob o controle do narrador/autor, o mesmo não ocorre com os personagens Walter, do livro O tribunal da quinta-feira (2016), de Michel Laub, e Henrique, de Você tem a vida inteira (2018), escrito por Lucas Rocha. Nos dois romances, a sorologia positiva para HIV é revelada de forma pública, através da internet, por terceiros como uma espécie de vingança.

Em O tribunal da quinta-feira, romance predominantemente em primeira pessoa, o protagonista, José Victor, tem parte da correspondência por e-mail que troca com o amigo Walter divulgada pela esposa. A descoberta da traição do marido com uma colega de trabalho e o fim do casamento servem de motivo para o ato de vingança. Aproveitando-se da forma descuidada e leviana com a qual os dois amigos abordam diversos temas sensíveis, entre eles o HIV/AIDS, Teca, a esposa do narrador, envia para um círculo de amigos parte do conteúdo das conversas contidas no correio eletrônico do marido.

Já no romance de Lucas Rocha, a condição sorológica de um dos protagonistas, Henrique, é revelada pelo ex-namorado que não aceita a rejeição depois de uma tentativa de reconciliação. A exposição é feita através de uma postagem por um perfil anônimo na rede social Facebook. O conteúdo da mensagem aponta para um imaginário preconceituoso sobre o HIV e a AIDS, nele são usadas expressões como AIDÉTICO, DOENÇA IMUNDA e DOENÇA MALDITA (assim mesmo, em caixa alta).

Além da vingança, principal motivo da exposição pública da sorologia dos personagens, o “jogo” com o preconceito e o imaginário público sobre o HIV/AIDS também está presente nas narrativas.

Na produção de Laub, a sorologia em si não é colocada como o principal problema, mas sim a forma despreocupada com que os personagens fazem piadas de gosto duvidoso sobre o tema, por vezes associando o ato sexual a uma infecção proposital: “Remetente: eu. Destinatário: Walter. (…) Estou pensando em convidar a vítima redatora-júnior para contrair A.I.D.S./S.I.D.A.” (LAUB, 2016, p. 94). Em Você tem a vida inteira, o “jogo” está na associação da condição sorológica com um possível comportamento promíscuo e na afirmação de que o personagem, vítima da postagem caluniosa, é um transmissor proposital do vírus HIV: “tenho certeza que ele passa essa DOENÇA MALDITA para todos aqueles que se relacionam com ele” (ROCHA, 2018, p. 238).

A exposição da sorologia nos romances aponta para uma tentativa de se utilizar dos preconceitos mais arraigados na sociedade para produzir mais violência contra sujeitos soropositivos. A tentativa se apoia na certeza de um imaginário coletivo que ainda vê pessoas com HIV/AIDS como promíscuas, sujas, perversas e irresponsáveis, entre outras coisas. A sociedade representada nas narrativas reflete a sociedade “real”. De forma mimética a ficção aponta, talvez não de forma proposital, para problemas recorrentes na “realidade”. Considerando que essa tem sido umas das principais funções, não a única, da produção narrativa brasileira sobre HIV/AIDS, é possível dizer que as obras se enquadram em um conjunto difuso e mais amplo  das representações sociais  sobre HIV/AIDS.

Sobre armários e soropositividade

Ramon Amorim

Créditos da imagem: Keith Haring, sem título, 1983.

O livro O segundo armário: diário de um jovem soropositivo, de Gabriel de Souza Abreu (pseudônimo de Salvador Correa), lançado na versão e-book no ano de 2014 e na versão impressa em 2016, busca se apresentar como uma espécie de diário dos primeiros anos após a descoberta da sorologia positiva para HIV do autor. A coletânea dos textos que formam o livro foi extraída do blog criado e mantido por Abreu depois da confirmação da sua sorologia positiva. Os relatos datam de abril de 2011 a dezembro de 2013 e falam sobre as questões médicas, emocionais, profissionais e familiares vivenciadas pelo autor durante esse período. Além disso, a discussão sobre a revelação de seu estado sorológico ganha protagonismo na narrativa.

Considerado como uma produção autobiográfica, pois a obra cumpre o estabelecido no “pacto autobiográfico”, o livro de Gabriel de Souza Abreu aposta em relatos dispersos (apesar de seguirem uma ordem cronológica) a fim de construir uma narrativa mais ou menos uniforme dos primeiros anos da sua convivência com o HIV. Por se tratar de produção feita originalmente para funcionar como um diário on-line, o conjunto de textos apresenta pouca profundidade e reflete alguns dos preconceitos que o autor possuía a respeito da comunidade LGBTQIA+ e das pessoas que vivem com HIV. Esses preconceitos podem ser vistos, por exemplo, quando o narrador associa a possível descoberta da infecção pelo vírus como uma espécie de castigo pelo comportamento sexual, dado que ser “não reagente” indica que não há “nenhuma penitência a ser paga” (p. 12). Além disso, é recorrente o medo do autor de ter sua imagem associada à de um sujeito soropositivo: “não seria identificado como portador de HIV (esse é, agora, meu maior medo…)”.

O título escolhido para o livro, apesar de assertivo, retoma algumas ideias já superadas a respeito da vida com HIV. Estabelecer a sorologia positiva como uma espécie de armário, é o principal problema da obra, principalmente quando o autor afirma que “o ‘segundo armário’ é aquele para onde são obrigados a entrar os jovens gays quando descobrem que são portadores de HIV”.

Essa posição é duplamente problemática, por fazer uma associação apressada entre os “jovens gays” e o HIV (mesmo que em outros momentos critique essa associação), assim como por inferir que a homossexualidade em si aprisiona sujeitos em um “[primeiro] armário”. O autor parece não pressupor que há sujeitos gays (ou LGBTQIA+) que nunca estiveram em “armários” e que podem viver sua orientação sexual de forma pública, sem a esconder de quem quer que seja. Abreu não conseguiu apontar para uma experiência com HIV que não fosse envolta em segredos, em silêncios.

Essas problemáticas presentes na narrativa apontam para uma dificuldade vivida por muitas pessoas quando descobrem que têm diagnóstico positivo para HIV. Mesmo as mais informadas, escolarizadas e independentes financeiramente ainda sofrem com o medo do estigma que a soropositividade pode acarretar. Esse receio está relacionado ainda a uma crença de que o HIV leva automaticamente à AIDS e a doença, à morte precoce. É nessa relação direta entre vírus e doença que o autor acha que sua família vai se prender caso descubra sua condição sorológica.

Ao narrar suas experiências, crenças e limites no enfrentamento de sua condição sorológica, Abreu cede a estigmas sociais e mantém muitos preconceitos relacionados ao vírus e à doença, perdendo uma oportunidade de problematizar essas formas de representação estereotipada. Isto talvez indique que vale a pena explorar a obra para perguntar o que ela “representa” no universo de produções sobre o tema.

HIV/AIDS nas narrativas literárias: como nomear a doença?

Ramon Amorim

Créditos da imagem: Leonilson, 34 com scars, 1991(bordado e tinta acrílica sobre voile).

Peste gay, câncer rosa, doença dos 5H, GRID (imunodeficiência relacionada aos gays, sigla em inglês) eram registros utilizados para se referir à AIDS. Assim, desde sempre, houve uma complexa problemática no registro das terminologias sobre o tema. A “epidemia discursiva” (em especial nos textos literários) que se estabeleceu em relação à questão deixou mais evidente essa problemática, levantando discussões importantes sobre a AIDS e o HIV.

Diante dos avanços nas pesquisas no campo biomédico, a AIDS (doença/síndrome) foi “separada” do seu agente infeccioso, o  (vírus) HIV. Desde então as siglas passaram a ser mais (e acertadamente) utilizadas para falar sobre esses dois elementos da epidemia, a doença em si e a infecção viral que pode levar a ela.

Os termos AIDS e HIV (que superaram a condição de meras siglas há tempos) tendem a aparecer pouco nas narrativas ficcionais. Não é incomum que, em textos que falem dessa temática, haja a ausência quase total desses registros. É mais corriqueira a representação de algum elemento da sintomatologia da AIDS, como os gânglios linfáticos (a inflamação deles), a febre, o cansaço, a fraqueza, a magreza, a tosse, o sarcoma de Kaposi, entre outros. Essas referências, que aparecem muitas vezes em conjunto, tendem a ser o ponto perceptível sobre a tema em vários autores, como, por exemplo, em Caio Fernando Abreu e Bernardo Carvalho.

Também a palavra “doença”, registro mais genérico, é muito utilizada como substituta do termo AIDS. Isso pode ser visto, por exemplo, no título do livro do Jean-Claude Bernardet, A doença: uma experiência e ou na enfermidade misteriosa que acomete o protagonista de Vinho da noite, de Caique Ferreira. Referências aos medicamentos também aparecem com alguma frequência nos textos literários sobre o tema. É comum vermos menções ao AZT (azidotimidina), à zidovudina ou aos hiperônimos. Esses últimos são muito comuns na “literatura pós-coquetel, sobre a qual escrevi em post anterior.

Embora seja comum a associação entre os dois termos,  HIV/AIDS, com o desenvolvimento de tratamentos mais efetivos, a infecção não necessariamente leva à doença. Mas nas formas ficcionais, o diagnóstico positivo para a presença de HIV costuma ser o ponto de partida para desdobramentos da trama e mais especificamente para a identidade do personagem portador do vírus.

Já a doença, grafada muitas vezes como Aids ou aids, foi a forma primeira como o tema efetivamente apareceu na literatura. Por que me interessa tanto observar essas pequenas nuances no modo de nomear a doença? Mesmo que seja possível constatar nas produções literárias um certo arrefecimento das representações da doença desde a descoberta de um tratamento eficaz pela biomedicina, vale a pena explorar o próprio uso das formas de nomear a AIDS como uma espécie de metáfora para representá-la.