Arquivo do mês: novembro 2018

Os lances de um enxadrista

Nivana Silva


Créditos: “To become a queen” – Victoria Ivanova

Ao problematizar brevemente, em meu último post*, a insuficiência do termo ficção para a análise de diversas obras contemporâneas, afirmei que isso se deve, dentre outras coisas, ao exercício de leitura que tais textos têm requerido do leitor, fazendo transbordar os limites da autonomia estética e da verossimilhança, já que trazem para a cena da interpretação elementos que se encontram externos ao material textual. Lançando mão do questionamento “Por que ficção?”, Luciene Azevedo, também aqui no blog, pondera que o romancista contemporâneo, ademais de arriscar-se a outras técnicas de referencialidade e de redimensionar as fronteiras entre o verossímil e o verdadeiro, fornece ao leitor uma narrativa diante da qual não se pode mais, simplesmente, sustentar a impossibilidade de acreditar na realidade do representado, tal como assegurado pela ficção moderna.

Retomo a reflexão para tentar desenvolver a análise sobre uma importante peça que tem contribuído para o jogo interpretativo e que se manifesta para além do texto: a presença autoral. No referido processo de redimensionamento de fronteiras da ficção contemporânea, essa presença pode influenciar nos modos como a obra é recebida, sendo fruto “de uma atuação, de um sujeito que ‘representa um papel’ na própria ‘vida real’, na sua exposição pública, em suas múltiplas falas de si, nas entrevistas, nas crônicas, nas palestras […]”, como elucida Diana Klinger ao tratar do chamado “retorno do autor”, à luz da ideia defendida pelo crítico americano Hal Foster.

Consideremos, assim, que o papel da recepção tem sido impactado por uma suposta intencionalidade autoral, cujo funcionamento, contudo, não seria aquele atrelado à noção romântica de autoria, relacionada à ideia de unidade criativa e pretensa origem que iluminaria o leitor por meio da obra. Menos que uma garantia para a interpretação ou uma inconteste chave de leitura, a presença autoral, no contemporâneo, parece expor o leitor a mais riscos que certezas, suscitando mais perguntas e ambiguidades e esticando, ao máximo, a tensão entre o real e o ficcional.

Nesse contexto, não poderia deixar de mencionar a literatura de Ricardo Lísias, pois me chama a atenção como sua presença autoral influencia a recepção de sua obra. Numa entrevista em 2014, ao referir-se aos seus romances O céu dos suicidas (2012) e Divórcio (2013), ambos narrados por personagens homônimos do autor, Lísias afirma que, embora suas histórias partam de “experiências pessoais e traumáticas”, “isso não significa que o livro [seja] de não-ficção”. E completa: “A leitura que alguns grupos da imprensa fizeram do meu livro Divórcio confirma a crítica que o livro faz a eles. O que eu não esperava era que as pessoas fossem cair como patos nas minhas esparrelas. Ingenuidade minha? Talvez… No romance O Céu dos Suicidas, Ricardo Lísias foi campeão Pan-americano de xadrez aos 13 anos. Eu nunca fui campeão de nada, sou um jogador canhestro […]”.

No caso de Divórcio, a confusão estabelecida pela imbricação entre o verossímil e o factual é acentuada se o leitor lê, por exemplo, “Sobre a arte e o amor”, texto que não foi publicado, mas circulou em uma lista fechada de e-mails. O que temos aí é uma carta enviada ao “Senhor Arnaldo Vuolo” como resposta à “Notificação extrajudicial subscrita pelo senhor em nome da minha ex-mulher”, conforme lemos no cabeçalho do texto. Anexas à carta, uma procuração assinada por Ana Paula Sousa, além da própria notificação endereçada a Lísias pela Vuolo Advogados Associados. A obra, portanto, facilmente conduz o leitor a tomar como verdadeiros os elementos com os quais o autor brinca de fazer ficção, mas um tipo de “ficção” que se ancora de maneira recorrente em referências factualmente rastreáveis.

Mas sem querer cair na esparrela do que é ou não real e ficcional em Lísias, talvez seja mais produtivo pensar como o autor demonstra ter consciência de todo esse jogo e, em uma série de lances intencionais – embora não haja certeza sobre suas consequências – vai tensionando esses limites ao extremo com sua presença marcante dentro e fora da obra. Nesse sentido, arrisco dizer que há uma disposição de Lísias em atuar rastreando as apropriações e especulações críticas que são geradas a partir de sua literatura para assim tirar proveito da precipitação dos leitores quando caem na armadilha de que tudo está fundamentado na verdade.

Em outras palavras, a presença – que, a princípio, arrastaria o pressuposto da credibilidade e do esclarecimento – é uma peça a mais que infla e embaralha as possibilidades de interpretação. Lísias, então, vai flertando com tais equívocos da recepção e antecipando outros lances, os quais, ao que parece, são usados em prol de suas futuras estratégias narrativas e das formas como vem inscrevendo uma assinatura no campo literário.

Anúncios

Literatura e representatividade

Samara Lima

imagem samara

Créditos da imagem: Sohei Nishino. “Diorama Map, Rio de Janeiro”, 2011 .

Geovani Martins, filho de dona de casa e jogador de futebol amador, nascido em Bangu, bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro publicou seu primeiro livro pela Companhia das Letras em 2018, ​O sol na cabeça, ​​um conjunto de 13 contos. Livro e autor foram apresentados ao público como sendo a mais nova revelação da literatura brasileira contemporânea.

O livro, se consideramos as publicações recentes, destoa das estatísticas levantadas pela professora Dra. Regina Dalcastagnè, que através da sua pesquisa “O personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2014” mostra como as narrativas brasileiras produzidas dentro do período estudado privilegiam um determinado grupo social, branco, heterossexual, classe média, enquanto sobre negros e pobres, imperam os estereótipos, pois são representados como escravo, ladrão e vítima. A propósito disso, cabe mencionar que o próprio Martins afirma que gosta de omitir a cor da pele dos personagens, mas que ainda assim costuma receber comentários sobre as situações narradas em que os protagonistas são imaginados como negros pelos leitores.

Ao mesmo tempo em que alguns contos abordam temas como a violência policial, o tráfico de drogas, a intolerância religiosa e o racismo, é possível também enxergar o outro lado da favela. Em ​Estação Padre Miguel​​, por exemplo, o narrador em primeira pessoa reflete em meio à discussão com os amigos sobre a compra de mais drogas:​“De um momento pro outro tudo se desfaz, se desaba, e ficamos sozinhos frente ao abismo que é a outra pessoa.”

Seus personagens são favelados ​e enfrentam dramas internos, o que torna mais complexo o imaginário sobre a vida na periferia. O conto ​Espiral​​, por exemplo, trata sobre o racismo estrutural existente na sociedade, como isso afeta o jovem negro, e como crescer sendo alvo de medo – por causa da cor da sua pele – transforma alguém. Enquanto ​O caso da borboleta​​ tem um fluxo narrativo mais lento, poético.

Em ​O que é lugar de fala?​​, Djamila Ribeiro apresenta o problema do acesso à voz, à representação daquele que é excluído, de quem pode falar numa sociedade excludente, onde o discurso legitimado é o discurso do homem branco. O livro de Geovani Martins arrisca uma resposta literária e quer cavar nessa tradição de monopolização dos lugares de fala, seu próprio lugar para “mostrar a periferia como algo em movimento”.

Durante sua participação na última Flica, perguntaram ao autor se ele achava que seu sucesso se devia a sua biografia. Martins afirmou que quem pode responder a essa pergunta são os leitores. A pergunta e a resposta podem servir como reflexão sobre como a desigualdade racial e econômica do Brasil é representada pela literatura e lida pelos leitores.

Literatura em colaboração?

André Neves

Em outro post já tinha tematizado a produção de fanfics, textos criados por fãs de sucessos editoriais que dão continuidade à obra, reinventando a trama e seus personagens. Ao navegar pelos blogs de fanfiqueiros chama a atenção uma página em especial do wattpad. Trata-se da ficshop: doação de ideias para fanfics, cujo objetivo é literalmente “doar” ideias aos aspirantes e/ou aos já veteranos escritores de fanfics. Essa proposta de uma escrita que explora a facilidade do compartilhamento de material própria das redes sociais pode ser um bom começo para pensarmos outras maneiras de criar narrativas e de pensar a autoria.

É possível encontrar sites que podem abarcar um micro campo literário em suas páginas. É o caso de Falsaria uma rede social literária de escritores independentes que conta com um público que já ultrapassa 400 milhões de falantes de espanhol. De um mero blog, Falsaria tornou-se uma plataforma completa para os que desejam canalizar sua escrita nas redes sociais, passando a oferecer diversos serviços como formação literária online, coedição e publicação de livros e ações de promoção literária para divulgar autores dentro e fora da plataforma.

No Brasil surge outra proposta de plataforma de ficção chamada Essa história é nossa, é uma plataforma literária brasiliense que objetiva promover e lançar escritores, principalmente, por meio de textos colaborativos. Ao se inscrever no site, o usuário deve escolher um estilo narrativo para criar uma história ou participar da concepção de contos iniciados por outros autores. Todos os livros terão 13 capítulos e podem ser escritos por até 12 autores, além de um revisor, um editor e um produtor. Após o fim dos 12 capítulos, os autores se reúnem virtualmente para, juntos, escreverem a conclusão do livro e decidirem o título da obra. Ao fim de cada publicação, as sinopses das histórias serão disponibilizadas no site e nas redes sociais, podendo ser publicados em papel.

Partindo de uma observação ainda superficial, nota-se que as produções colaborativas nas narrativas literárias criadas na rede parecem ainda muito dependentes do “processo” de criação, da manipulação das ferramentas virtuais como mera técnica para gerar histórias. No entanto, se formos tão otimistas quanto o poeta, professor e crítico Kenneth Goldsmith que afirma em seu livro Escrita não Criativa que a internet é a nova identidade da literatura, é possível pensar que “estratégias de apropriação, replicação, plágio, pirataria, mixagem, saque, como métodos de composição” são próprias da rede e podem ser utilizadas para gerar histórias que dão o que pensar em relação a uma ideia de autoria como colaboração.

Nesse sentido, penso que para compreendermos os processos narrativos imersos nessa complexidade dessa literatura cuja narrativa e autoria(s) se constroem nos moldes de colaboração, talvez seja possível nos apropriarmos da concepção de literatura pós-autônoma nos moldes apresentados por Josefina Ludmer.

Essas literaturas aparecem como “escrituras do presente que atravessam a literatura” e, nas palavras da crítica argentina Josefina Ludmer, “ficam em posição de diáspora”, uma vez que dificultam uma leitura com base na compreensão que tínhamos de autoria, obra ou estilo até bem pouco tempo.

Assim, acredito que vale a pena uma análise mais atenta para compreender como se constrói – ou se forja – esse trabalho colaborativo na rede, sobretudo para discutir como isso pode implicar em diferentes formas de narrar.