Arquivo da categoria: fanfiction

Literatura em colaboração?

André Neves

Em outro post já tinha tematizado a produção de fanfics, textos criados por fãs de sucessos editoriais que dão continuidade à obra, reinventando a trama e seus personagens. Ao navegar pelos blogs de fanfiqueiros chama a atenção uma página em especial do wattpad. Trata-se da ficshop: doação de ideias para fanfics, cujo objetivo é literalmente “doar” ideias aos aspirantes e/ou aos já veteranos escritores de fanfics. Essa proposta de uma escrita que explora a facilidade do compartilhamento de material própria das redes sociais pode ser um bom começo para pensarmos outras maneiras de criar narrativas e de pensar a autoria.

É possível encontrar sites que podem abarcar um micro campo literário em suas páginas. É o caso de Falsaria uma rede social literária de escritores independentes que conta com um público que já ultrapassa 400 milhões de falantes de espanhol. De um mero blog, Falsaria tornou-se uma plataforma completa para os que desejam canalizar sua escrita nas redes sociais, passando a oferecer diversos serviços como formação literária online, coedição e publicação de livros e ações de promoção literária para divulgar autores dentro e fora da plataforma.

No Brasil surge outra proposta de plataforma de ficção chamada Essa história é nossa, é uma plataforma literária brasiliense que objetiva promover e lançar escritores, principalmente, por meio de textos colaborativos. Ao se inscrever no site, o usuário deve escolher um estilo narrativo para criar uma história ou participar da concepção de contos iniciados por outros autores. Todos os livros terão 13 capítulos e podem ser escritos por até 12 autores, além de um revisor, um editor e um produtor. Após o fim dos 12 capítulos, os autores se reúnem virtualmente para, juntos, escreverem a conclusão do livro e decidirem o título da obra. Ao fim de cada publicação, as sinopses das histórias serão disponibilizadas no site e nas redes sociais, podendo ser publicados em papel.

Partindo de uma observação ainda superficial, nota-se que as produções colaborativas nas narrativas literárias criadas na rede parecem ainda muito dependentes do “processo” de criação, da manipulação das ferramentas virtuais como mera técnica para gerar histórias. No entanto, se formos tão otimistas quanto o poeta, professor e crítico Kenneth Goldsmith que afirma em seu livro Escrita não Criativa que a internet é a nova identidade da literatura, é possível pensar que “estratégias de apropriação, replicação, plágio, pirataria, mixagem, saque, como métodos de composição” são próprias da rede e podem ser utilizadas para gerar histórias que dão o que pensar em relação a uma ideia de autoria como colaboração.

Nesse sentido, penso que para compreendermos os processos narrativos imersos nessa complexidade dessa literatura cuja narrativa e autoria(s) se constroem nos moldes de colaboração, talvez seja possível nos apropriarmos da concepção de literatura pós-autônoma nos moldes apresentados por Josefina Ludmer.

Essas literaturas aparecem como “escrituras do presente que atravessam a literatura” e, nas palavras da crítica argentina Josefina Ludmer, “ficam em posição de diáspora”, uma vez que dificultam uma leitura com base na compreensão que tínhamos de autoria, obra ou estilo até bem pouco tempo.

Assim, acredito que vale a pena uma análise mais atenta para compreender como se constrói – ou se forja – esse trabalho colaborativo na rede, sobretudo para discutir como isso pode implicar em diferentes formas de narrar.

Anúncios

Fanfics e antropofagia

André Neves

Usar a cultura europeia não mais como modelo ou padrão, mas como combustível para colocar em movimento outra cultura repleta de elementos próprios foi uma das características mais marcantes da proposta antropofágica de Oswald de Andrade no início do século passado. Sua proposta desdobrou-se em movimentos posteriores que tentam abstrair, deglutir e devorar os elementos constitutivos das estruturas da cultura com a finalidade de reconfigurá-los para a constituição de uma nova estética.

Proponho aqui pensar no que seria a antropofagia hoje e quais implicações da cultura de apropriação para a literatura no contexto atual. Como a cultura da apropriação possibilitou dar forma a um corpus literário a partir de desdobramentos tanto teóricos/conceituais quanto estéticos?

Reconheço que as questões são complexas para serem tratadas no espaço deste post, mas mesmo assim, me arrisco a propor que a leitura de algumas narrativas atuais podem ajudar a começar a pensar em respostas que apontam para outras formas de pensar a literatura. As narrativas contemporâneas, sobretudo nas redes sociais, subvertem e “antropofagizam” a cultura e a literatura e nos fazem pensar sobre um leitor/espectador como um sujeito mais independente das formas e conteúdos da tradição e da crítica.

Em entrevista em programa especial intitulado “Oswald de Andrade em cena” no Canal Saúde, disponibilizado no youtube, João César de Castro Rocha autor e organizador do livro Antropofagia hoje afirma que “a antropofagia no sentido oswaldiano sempre quer dizer a capacidade de apreender experiências simultaneamente, experiências diversas […], é, em parte, a capacidade de lidar de maneira produtiva com a simultaneidade sem estabelecer hierarquia e sem estabelecer exclusões a priori”. O crítico afirma ainda que os antropófagos de hoje são os “devoradores” de livros, os usuários da internet, o leitor cibernético que faz sempre uma releitura do mundo ao redor, na condição de um internauta.

A apropriação inventiva de mídias já existentes como ferramenta de comunicação e divulgação são reutilizadas e reinventadas pelos fandoms, os fãs que compartilham interesse por uma obra literária, um filme, uma história em quadrinho, reapropriando-se delas. É importante pensar como novos atores e consumidores culturais entram em cena na contemporaneidade mais precisamente a partir da explosão da cultura de mercado, da cultura de consumo, como cada vez mais produção e consumo parecem caminhar juntos quando falamos de cultura.

Seria possível pensar as fanfictions como uma produção que trabalha com a operação básica da antropofagia, a apropriação, e que mantém vivo o lema do Manifesto Antropofágico “Só a

ANTROPOFAGIA nos une […] Só me interessa o que não é meu. Lei do homem. Lei do antropófago”?

Talvez uma resposta possa se delineada a partir do pensamento do crítico João César de Castro Rocha quando afirma que “antropofagia é uma imaginação teórica de apropriação de alteridade”, pois se existe algo de que necessitamos no mundo contemporâneo globalizado e assimétrico, cujas relações de poder são cada vez mais evidentes, é desenvolver uma estratégia teórica que permita a apropriação criativa do outro.