Arquivo da categoria: Escrita acadêmica

Sobre a escrita na pesquisa acadêmica

Por Davi Lara

Sem título.png

Crédito da foto: Maria Dolores Rodriguez.

O momento crucial de uma pesquisa, o seu coroamento, é a escrita. E é por isso mesmo o momento de maior hesitação, o que envolve mais dúvidas. Sobretudo se não se pensar a escrita de modo automático, como algo neutro, mas como um componente ativo no processo de pesquisa. Muito mais do que um meio para a transmissão da carga acumulada ao longo das horas de leituras, conversas e reflexões solitárias, a escrita é mais uma etapa da construção do conhecimento. Uma vez entendida assim, a reflexão sobre a linguagem ganha uma importância imprevista, pois diz respeito à própria natureza do conhecimento. De modo que pensar sobre a escrita no processo de pesquisa é um modo de se pensar a própria natureza do conhecimento e suas possibilidades de existência dentro de uma comunidade. Um exemplo pode ajudar a esclarecer o que eu estou querendo dizer.

A princípio, uma escolha, antes de tantas outras, se impõe ao pesquisador: escrever na primeira pessoa do plural ou no singular? Os simpáticos ao “nós” argumentam que, ao diluir-se o indivíduo numa coletividade, o pesquisador assume uma postura mais humilde por reconhecer, implicitamente, que o seu trabalho não foi construído sozinho, mas dentro de uma instituição legitimada socialmente. Sem entrar na questão do discurso de autoridade que permeia esta linha de raciocínio, fica claro aí o flerte com uma concepção de conhecimento objetivo, que se baseia em critérios impessoais e imparciais. Tanto que, em alguns cursos (e mesmo em certos nichos do curso de letras), se desestimula até mesmo o uso do nós majestático, forçando os pobres dos alunos a fazerem uma série de malabarismos sintáticos, em que sobejam os pronomes apassivadores (diz-se que, conforme se afirmou) e formas esquizofrênicas de referência a si mesmo em terceira pessoa (os dados foram coletados pelo pesquisador), caindo assim numa ginástica verbal que mais evita o problema do que o soluciona.

De outro lado, os partidários do “eu” argumentam que nenhum conhecimento é imparcial e, por isso, deve-se marcar desde o registro linguístico esse envolvimento inevitável entre o sujeito e o objeto (se é que essa dicotomia faz sentido ainda). Uma professora querida do doutorado sempre pontuava a importância de se pensar (com) o corpo no fazer intelectual. Lembro-me de uma aula sua, feita a céu aberto e aberta com uma prática de yoga (que eu perdi, porque cheguei atrasado), em que ela sugeriu que fizéssemos o exercício de escrever a partir das indicações que o corpo dava (alegrias, melancolias, relaxamentos, dores etc.), que trouxéssemos para o palco da escrita nossas afecções.

É óbvio que os argumentos a favor de uma ou de outra opção são mais densos e complexos do que eu, caricaturalmente, reproduzi acima. Seja como for, apesar de existirem ótimas reflexões disponíveis sobre a matéria, não me parece que, do modo como a discussão é feita dentro dos espaços competentes, salvo raras exceções, ela entre nos méritos principais da questão, qual seja, a de que o modo que você vai escrever interfere diretamente no que você diz. Não se trata de se encolher entre observar o mesmo objeto de uma perspectiva ou de outra, mas de se entender que ao mudar-se a perspectiva de observação, o objeto também muda (bem como nós também mudamos: o lugar que ocupamos, a postura que mantemos em relação às estruturas de poder etc.). A escolha do registro linguístico é uma escolha metodológica, que pressupõe um posicionamento teórico. E quanto mais isso ficar claro para o pesquisador, melhor será a sua performance na hora da escrita e mais consistente o seu trabalho final.

Também é preciso levar em conta que a escrita, se a entendermos como uma espécie de performance, é um acontecimento. E por mais que possamos revisar e reescrever, o tempo exíguo de que dispomos no regime de produtividade que rege a pesquisa acadêmica hoje em dia não permite que esse processo de revisão seja tão intenso quanto por ventura alguns desejariam. O próprio sistema de produção acadêmico nos empurra para uma construção de conhecimento mais como processo, menos como produto –, embora haja uma sufocante lógica produtivista por trás deste regime… Seja como for, disso resulta que, por mais que insistamos na separação entre a reflexão sobre o que escrever, de um lado, e a prática da escrita, do outro, o palco principal da reflexão é o próprio fazer crítico. Em outras palavras: quando sentamos para escrever, muito mais do que pôr no papel uma reflexão, o que vai definir o estilo de escrita (e, por conseguinte, da linha de pensamento) é a própria prática. Ter isso em mente é importante não apenas para que se possa levar adiante o trabalho sem maiores travas, bem como para construir uma prática de pesquisa verdadeiramente reflexiva, que leve em consideração nossa condição não apenas de pesquisadores, mas de escritores, de sujeitos.