Arquivo da categoria: Biografema

O que pode um biografema?

barthes-por-sciammarella

Barthes por Agustín Sciammarella

Por Luan Queiroz

Quando penso em alguns modelos mais tradicionais de escrita da vida, o que me vem logo à cabeça são aquelas biografias imensas (geralmente divididas em vários volumes), e que exploram incansavelmente a ideia de totalidade e de profundidade, como se a partir do texto escrito fosse possível reconstituir toda a trajetória e os caminhos da vida do biografado.

Textos em que há a tentativa de buscar na vida que está sendo escrita, uma verdade singular, uma essência, como se realmente houvesse uma verdade maior, soberana sobre a existência de alguém, que após um grande esforço, pudesse ser alcançada e finalmente reportada, como bem observa Ewerton Ribeiro em sua dissertação de mestrado.

No contemporâneo, porém, convivendo com esses modelos mais tradicionais de escrita da intimidade, se verificam uma série de produções que subvertem, das mais variadas maneiras possíveis, algumas das características canônicas do gênero, apontando para o estabelecimento do que Leonor Arfuch, pesquisadora argentina, chamará de espaço biográfico, um campo marcado por uma intensa abertura ao múltiplo, ao híbrido e ao intertextual.

Nesse sentido, surge como ferramenta de construção biográfica, por exemplo, o biografema, conceito forjado por Roland Barthes, e que se configura em linhas gerais como a tomada de uma característica, um detalhe, um evento da vida de um sujeito como metonímia para a narração dessa vida.

Longe de um retrato totalizante, o que o biografema nos oferece de nosso biografado é sempre um olhar superficial, disperso e fragmentário: uma biografia em estado precário, em eterna construção, poderíamos dizer. Da vida que está sendo escrita, só é capturado o puctum, ou seja, os detalhes, os traços que mais me interessam e mais me encantam nessa vida.

Isso me faz pensar em outra importante característica de uma biografemática, que é essa relação afetiva depreendida entre o biógrafo e o biografado, mas também entre o texto sendo escrito e o seu futuro leitor. Sobre este “gesto amoroso”, como classificará Barthes, Luciano Bedin da Costa, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, inclusive, chega a comentar: “só se biografa o que em nós é biografado”, revelando, portanto, que para além de uma exigência historiográfica ou uma preocupação com a veracidade, um biografema seria composto majoritariamente por uma “anamnese factícia”, novamente citando Barthes, uma memória falsa, uma tenuidade de lembrança que me impulsionaria a querer falar daquele que amo.

Luan Queiroz cursa Letras Vernáculas e Língua Estrangeira Moderna na UFBA e faz parte do grupo NEG(A) como bolsista FAPESB de iniciação cientifica. Sua pesquisa é sobre as ficções biográficas, textos nos quais procedimentos da biografia são utilizados como ferramentas para a construção ficcional.

Anúncios