Outras experimentações do urbano: múltiplos espaços, diferentes suportes

Milena Tanure

Créditos das imagens: Imagem do livro “Territórios movediços”, de Felipe Rezende e Luma Flôres (Crédito: Caixa de Fósforo).

Iniciei as escritas neste blog falando sobre “Ruína de anjos”, uma peça teatral que, sendo encenada na rua, nos possibilita pensar uma outra experimentação da arte e da representação do urbano. O exemplo me interessa porque na minha pesquisa gostaria de empreender uma discussão sobre as representações contemporâneas da cidade de Salvador.

A princípio, as chaves de leitura eram as representações de cidade e de sua memória nas narrativas literárias baianas contemporâneas com foco na produção em prosa. No entanto, outros dispositivos têm se colocado como indispensáveis para pensar o literário e produzir uma crítica das imagens contemporâneas do urbano. Penso, por exemplo, no livro “Levante, o sistema caiu”, de Daniel Lisboa (Lambes do Mal): “é um manual de desobediência urbana. Nas páginas negras desse tratado pessimista encontramos o anti-fluxo, um atalho para lugar nenhum que pode nos leva a todos os lugares.”

Este livro consiste em uma das descobertas atuais de pesquisa. Ele faz parte do rol de livros de artista que compõe o resultado das atividades da Incubadora de Publicações Gráficas, iniciativa que buscou estimular a criação e desenvolvimento de livros de artista em Salvador e que encerrou suas atividades com a exposição coletiva realizada na RV Cultura e Arte para a divulgação das publicações oriundas do projeto. Colocando em cena algumas temáticas sobre o viver na urbe contemporânea, o projeto impõe a seus leitores questionamentos sobre a própria sacralização do suporte livro tal qual o conhecemos e tensiona as já problemáticas fronteiras entre o literário e não literário, bem como a expansão da literatura por diferentes caminhos do universo da arte.

Dentre os livros da Incubadora estão Multidão de Lucas Moreira e Gris que
inventaria um rol de sujeitos que caminham pelas ruas de Salvador e que são deslocadas para o interior do livro em processo de subjetivação; livro-objeto Marear de Taygoara Aguiar que propõe um trânsito marítimo por embarcações pesqueiras e de passeio dos portos da Baía de Todos os Santos através de uma cartografia afetiva e Territórios Movediços de Felipe Rezende e Luma Flôres que, como consta no release do evento, “aborda realidade, espaço e simulação a partir de mapas da cidade de Salvador. De caráter labiríntico, tal como a velha cidade, suas dobras e traçados urbanos são caminhos por onde se desenrolam um diálogo imaginário entre trechos de Jorge Luís Borges e Jean Baudrillard, protagonizado por personagens que transformam de maneira imediata o espaço […]Funciona simultaneamente como território, livro e objeto escultórico, proporcionando diferentes possibilidades de leitura”.

Diante dessas produções, me dou conta de que quero pensar o corpo que
cartografa, como ele lê/vive a cidade, que cidade é essa e que corpo é esse que se representa. O que procuro não está em estruturas sólidas como antigas construções, mas em processos de feitura, em busca de lugar ou, simplesmente, em trânsito.

A partir dos processos de errâncias urbanas que Paola Berenstein propõe a partir do entrelace entre as experiências urbanas e as narrativas contemporâneas, proponho pensar os processos de subjetivação a partir das experimentações urbanas e, dessa forma, perceber uma cartografia do simbólico em narrativas muito particulares. Vai se percebendo, assim, o modo pelo qual essa pesquisa, pensando imagens de Salvador que se presentificam pela via literária, reconhece a existência de múltiplas vozes que deixam ver representações capazes de revelar a heterogeneidade discursiva da cidade. O contato com os livros aqui citados possibilita pensar, assim, que a pesquisa vai tomando os seus rumos e permite entender, ainda, que, como um corpo errante, o diálogo se dará com representações múltiplas nas múltiplas linhas que entrecruzam a cidade.

Anúncios

Uma resposta para “Outras experimentações do urbano: múltiplos espaços, diferentes suportes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s