Escutar-se falar de si

Caroline Barbosa

Créditos da imagem: A sala de audição, de René Magritte, 1952

Na obra Esboço, Rachel Cusk aborda a história de uma escritora chamada Faye. O enredo não tem grandes reviravoltas, pois a personagem vai para Atenas dar um curso de escrita criativa e a obra aborda as conversas que tem com desconhecidos, alunos do curso e  amigos com quem ela encontra na cidade.

Diferente da autoficção tal como caracterizada pelo criador do termo, o francês Serge Doubrovsky, o livro de Cusk não apresenta um personagem com o mesmo nome da autora e só muito sutilmente podemos ler alguns dados biográficos de Cusk na atuação de Faye.  Assim, Esboço parece apostar em uma aproximação através do distanciamento, já que a narradora pouco  fala sobre si:  tudo o que sabemos é através da sua relação com o outro.

É durante a leitura (ou da escuta?) das conversas entre Faye e um enorme número de personagens que ficamos sabendo que é escritora, divorciada e possui dois filhos, informações que se aproximam dos dados biográficos de Cusk. Investigando um pouco sobre a carreira literária de Cusk, ficamos sabendo que duas obras anteriores da autora abordam explicitamente suas experiências, seja como mãe em A Life’s Work: On Becoming a Mother, seja sobre a separação e o divórcio, temas explorados em  Aftermath: On Marriage and Separation. Não deixa de ser interessante perceber como em Esboço o movimento parece ser  contrário. Não se trata de falar da vida da autora espalhando dados autobiográficos em meio à criação da ficção,  pois é a voz do outro que a reflete e a apresenta.

Já sabemos que muitos teóricos torcem o nariz para a autoficção considerando que o sucesso do termo é apenas resultado do excesso de interesse pela vida privada que a cultura midiática produz. Para esses críticos, seu exercício é sempre narcísico. No entanto, Cusk parece distorcer afirmações como essas, propor um investimento, uma dobra ao próprio desafio de falar de si.

Como?

Poderíamos arriscar que Cusk fala de si, mas apenas através da escuta do outro. É claro que a autora não desconhece as discussões em torno das escritas de si no presente. Tendo lançado dois livros de não ficção, investigando sua própria vida (a maternidade, o divórcio), a trilogia que começa com Esboço (Trânsito e Mérito são os dois outros títulos que completam o experimento), se quer romance, mas também um pouco diferente desse gênero. E talvez  as camadas de sentido que os discursos dos personagens vão produzindo e as pistas que são deixadas para o leitor sobre a própria estrutura da obra, sejam também uma interrogação sobre a ficção, o romance e a autobiografia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s