O dilema de ser quem se é

Nilo Caciel

Créditos da imagem: James Baldwin em sua casa no sul da França em 1979. Foto: Ralph Gatti/AFP/Getty

O quarto de Giovanni é o segundo romance do escritor americano James Baldwin, lançado em 1956. A obra é protagonizada por David, um expatriado americano na França, que conta seu caso trágico com Giovanni, um garçom italiano instalado em Paris. Os dois se conhecem em um bar gay da capital francesa quando Hella, a namorada de David, viaja para a Espanha para pensar na proposta de casamento que havia recebido dele.

Na ocasião da entrega do romance à sua editora, a ideia de escrever uma trama sobre um relacionamento homoafetivo com personagens brancos foi muito mal recebida. Devido ao sucesso do seu primeiro romance, Go tell it on the mountain(1953, ainda sem tradução no Brasil), que narra as experiências de um jovem negro no Harlem, Baldwin havia se tornado um expoente da literatura afro-americana. Além disso, o contexto cultural dos Estados Unidos dos anos 50 não era exatamente o mais aberto às narrativas LGBTQ. É curioso pensar que em menos de um século depois, teríamos a abertura e o apetite de experiências diversas como temos hoje. 

O quarto de Giovanni tem muito em comum com histórias LGBTQ (literárias ou não) posteriores, como o tom confessional, a narração em primeira pessoa e o final trágico. Ademais, a obra é recheada de elementos autobiográficos, como ocorre frequentemente na contemporaneidade. Baldwin se mudou para Paris na mesma época, era homossexual e frequentava bares gays. No entanto, são evidentes também algumas diferenças importantes quando o comparamos a autores contemporâneos como Garth Greenwell e Garrard Conley, por exemplo.

David vive um grande conflito interno em relação a sua identidade. Em momento nenhum do romance se declara homo ou bissexual. Na manhã seguinte a sua primeira experiência com outro rapaz, por exemplo, ele declara:  ‘‘Senti vergonha. Até a cama em que eu estava, com aquela deliciosa desarrumação, era um testemunho de vileza.’’

Além disso, ele demonstra uma grande aversão aos outros personagens gays do romance, como Jacques e Guillaume:

‘‘Lá estava o rapaz que trabalhava o dia inteiro, dizia-se, numa agência do correio, e que saía à noite com o rosto pintado, brincos nas orelhas e os abundantes cabelos loiros formando um penteado alto. Às vezes chegava a usar saia e sapatos de salto. Geralmente ficava sozinho, a menos que Guillaume se aproximasse para fazer troça dele. Dizia-se que era uma pessoa muito simpática, mas confesso que sua aparência totalmente grotesca me incomodava, talvez pelo mesmo motivo que algumas pessoas sentem o estômago revirar quando veem macacos devorando seus próprios excrementos. Talvez não se incomodassem tanto se os macacos não se assemelhassem — de modo tão grotesco — a seres humanos.’’ 

Nenhum destes elementos é frequentemente encontrado nas narrativas LGBTQ atuais. O que absolutamente não quer dizer que todas as questões sobre o tema tenham sido superadas. Em O que te pertence de Greenwell são evidenciados os inúmeros desafios enfrentados pela população queer na contemporaneidade. Entretanto, vemos no tom do narrador de Greenwell inquietação, e uma necessidade de explorar suas questões identitárias, e não o auto-desprezo de David. Entender o seu lugar no mundo o desassossega, mas sua identidade não o tortura. 

Além de sexualidade, também estão intrincadas na trama questões como expatriação, masculinidade, família e identidade estadunidense. Todas entrelaçadas numa narrativa comovente e penetrante, que continua a ressoar entre seus leitores.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s