As agruras de um poderoso editor

2016-08-08

Por Larissa Nakamura

http://www.blogdacompanhia.com.br/

Pode um “simples” blog de uma famosa editora brasileira trazer, além de elementos vários à discussão literária, uma interessante perspectiva sobre quem está do lado de lá – quem edita livros?

A meu ver, parece uma boa ideia dar continuidade ao compartilhamento de sites que interessem àqueles que acompanham o que anda acontecendo com a literatura contemporânea na internet (ver texto de Davi Lara, em junho). Neste post, quero explorar o blog da Companhia das Letras, uma das editoras mais prestigiadas do país.

Desempenhando o papel de plataforma de divulgação dos discursos dos escritores e funcionários da empresa, e também de estratégia de marketing, a presença de editoras no espaço digital, independente do formato sob os quais se introduzem (redes sociais, blogs, sites etc.), revela algo das novas dinâmicas do campo literário contemporâneo.

Diante das tantas seções que compõem o blog da Companhia, destaco a denominada “Da casa”, que se subdivide em: “Palavra do autor” e “Companhia apresenta”, nos quais os próprios autores podem escrever ou deixar a cargo da editoria a promoção de sua obra. Além disso, os escritores da editora também podem atuar como colunistas no blog. Sob esse aspecto, Milton Colonetti (2014, p. 75) assinala a importância de tal atividade para a carreira do escritor, já que: “O espaço no blog da editora, além de ser um local de acúmulo de capital simbólico, garante ao produtor uma exposição contínua e um meio de captação de recursos monetários que vincula seu trabalho à produção editorial, tornando o escritor um verdadeiro produtor assalariado da editora.”

Voltando então à minha pergunta inicial, creio que a voz do Luiz Schwarcz, editor­-chefe da Companhia das Letras, presente nesse espaço virtual dá aos leitores a oportunidade de conhecer um pouco melhor a atuação de uma figura tão intrigante quanto a do editor, acostumado ao backstage da vida literária, mas que, aqui, aparece tentando estabelecer algum contato com os leitores.

Basta uma primeira leitura dos posts publicados por Schwarcz para adentrarmos no complexo universo do editor – suas preocupações enquanto profissional no mercado das letras, o(s) processo(s) de edição, as relações com escritores/clientes, as intuições que as primeiras páginas da leitura dos manuscritos despertam nele, a importância das capas, o papel dos agentes literários, etc.

Destaco dois posts do Schwarcz que podem resumir a autorreflexão proposta em seus textos e que trazem à tona questões que estão no âmago do ofício: Detalhes tão pequenos de nós dois são coisas muito grandes pra esquecer — ou um tempo à toa na estação de trem e O mundo assombrado pelos best­sellers — ou me perdoe a pressa, é a alma dos nossos negócios. De modo geral, o que se nota são as falas representativas acerca da velha dicotomia arte vs. mercado. Sendo assim, qual o posicionamento do editor sobre o tema?

“[…] o clamor contra o aspecto comercial do livro é ingênuo, não só nos dias de hoje, mas mesmo se pensado historicamente. Ainda assim, os leitores deste blog veem que, vez ou outra, mantenho vivo certo idealismo, presente desde o dia em que optei por trabalhar com livros. Justifico assim, relativizando logo de cara, o meu clamor ou angústia intermitentes pela comercialização exacerbada do ambiente cultural em que vivo. Sei que tenho alguma razão e muita ingenuidade. O mercado editorial sempre foi mercado, e sempre será.”

É interessar ressaltar que, mesmo adotando uma atitude que deseja aberta e não conservadora, ainda existe alguma hesitação, resistência; transparece uma espécie de ambiguidade intrínseca no trabalho do editor de livros. Entre a defesa do caráter artístico ou mercadológico, Luiz Schwarcz enfrenta o dilema apontando para a necessidade de existir um equilíbrio entre ambos que garanta que seus empreendimentos editoriais e todo o sistema artístico que os envolve continuem a existir.

Voltando aos posts, é possível que o grande público se interesse por temas que estejam diretamente relacionados aos números, contratos e negociações por trás das obras lançadas, mas não é ainda nesse espaço que tais questões serão expostas ou discutidas. No blog, o que prevalece é a face artística do processo de produção da obra de arte. Assim concluo que falar de cifras ainda causa desconforto, ao menos é o que sua omissão parece nos indicar.

Fatos, anedotas histórias, erudição, engajamento político é o que podemos ler na coluna assinada por Luiz Schwarcz no blog da Companhia. E, você, conhece blogs de outros editores? Se sim, compartilha aqui com a gente nos comentários.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s