Delicadeza ao avesso

Por Neila Brasil Bruno

Sinfonia em branco – Adriana Lisboa

Alfaguara, 2013 [2001, Rocco]

Whistler_James_Symphony_in_White_No_3_1866

Em Sinfonia em branco, romance de Adriana Lisboa, a narrativa sobre a infância das personagens Clarice e Maria Inês constrói-se por meio de recuos e avanços temporais, de lembranças independentes e interligadas. Nota-se a presença de referências significativas ao romance A morte em Veneza, de Thomas Mann, e a um quadro de Whistler. O enredo coloca em debate situações da realidade urbana que se constituem em torno da violência traumática experimentada por Clarice. É possível assinalar diversas qualidades em sua estrutura, como os elementos narrativos, o estilo refinado e a escolha de personagens, que nos permitem encontrar no livro uma espécie de compromisso: narrar uma boa história.

Valendo-se dos dramas familiares envolvendo Maria Inês, Clarice e os pais (Afonso Olímpio e Otacília), Lisboa invoca, ao longo dos quinze capítulos, temas como adultérios, abuso sexual, amor, paixão e morte. As personagens transitam entre o meio rural – fazenda nas cercanias de Jabuticabais –, representando a vida bucólica, e o Rio de Janeiro, representando a vida urbana. Nos entremeios dessa história, borbulham outras. Por momentos, surge a que poderia ser de Tomás, um pintor absolutamente apaixonado por Maria Inês, ou mesmo a de Otacília, que aos vinte oito anos casara-se com Afonso Olímpio sob secretas expectativas de felicidade.

Todo o universo do romance ancora-se nas experiências vividas pelas duas filhas de Otacília e Afonso Olímpio. A narrativa mostra-se bem à vontade com as idas e vindas que sustentam as vidas das personagens Maria Inês, Clarice, Tomás e Eduarda: todos eles fogem para o passado numa tentativa de compreensão dos eventos que foram silenciados, mas não totalmente esquecidos.

Em Sinfonia em branco, Lisboa parece ativar, de maneira expressiva, referências constantes à música e às artes plásticas. Por meio da atividade criadora, desmistifica a temática da violência proposta no romance através da delicadeza com que a história é narrada. De fato, é um romance atravessado por poesia, suavidade e fluidez, que convoca o leitor a exercer suas capacidades interpretativas, decifrando os segredos ao longo das páginas.

Publicado em 2001 pela Editora Rocco, Sinfonia em branco recebeu em Portugal, no ano de 2003, o Prêmio José Saramago, sendo alvo de elogios e das boas impressões de críticos e leitores. O romance favoreceu a carreira internacional de Adriana Lisboa e, atualmente, já foi traduzido para dez línguas, com traduções em albanês e esloveno no prelo. Em 2014, foi relançado pela Editora Alfaguara com um novo design de capa, edição corrigida e um prefácio redigido por Pilar del Río, presidente da Fundação José Saramago. O impacto dessas mudanças consolida e fortalece a trajetória literária de Adriana Lisboa.

 

Anúncios

8 Respostas para “Delicadeza ao avesso

  1. Ótimo texto! Leve e suave, como imagino que deve ser o romance de Adriana Lisboa. É, sem dúvida, um eficiente convite à leitura da obra, sobretudo para aqueles/as que não tinham sido apresentados à autora.

  2. Excelente! O texto expressa uma leveza, pelo que a crítica apresenta Adriana Lisboa fez uma ótima história. Vou ler, parabéns a autora e a você Neila Brasil por sua resenha.

    • Olá Glaúcia! Seja bem vinda as discussões do blog Leituras contemporâneas. Aqui você pode acompanhar diversas ressenhas e posts sobre autores contemporâneos. Que bom que gostou da resenha, Adriana Lisboa além de seu refinamento na escrita, vêm recebendo muitos prêmios e elogios da crítica literária. Para conhecer mais sobre a autora você pode acessar o site http://www.adrianalisboa.com/

  3. Olá, Neila. Gostei muito da resenha. É fácil notar nas narrativas de Adriana Lisboa uma escrita revestida de delicadeza, ora ao avesso como sugere o título desse post. Bem “Sinfonia em Branco” é uma narrativa que prende a atenção do leitor. E a autora consegue trabalhar temas densos com suavidade.

    • Olá, Cris. A obra de Adriana Lisboa é um convite a reflexão de diversos assuntos, inclusive a temática da violência sexual como aparece em “Sinfonia em branco”. A autora consegue prender a atenção do leitor através de um estilo sóbrio e elegante.

  4. Parabéns Neila!! Muito legal a narrativa, achei interessante como é abordado o tema de romance, criando-se uma curiosidade para a leitura por parte do leitor.

    • Olá Clayton que bom que gostou do texto. Obrigada! Você pode continuar acompanhando diversas discussões sobre a literatura contemporânea e seus autores aqui no blog. Seja bem vindo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s