“Dois lados do efeito Ruffato”

Por Larissa Nakamura0,,17148385_303,00

O post desta semana é sobre a matéria de Leonardo Neto, chamada “Dois lado do efeito Ruffato”, publicada em março na Publish News. O texto é muito interessante, principalmente para quem acompanha a carreira de Luiz Ruffato nos últimos anos e seus desdobramentos no mercado editorial.

Neto quer discutir atualmente a repercussão que teve o discurso proferido por Luiz Ruffato na Feira de Frankfurt em 2013. A fala pouco elogiosa ao Brasil gerou uma grande polêmica no próprio evento, na imprensa estrangeira e brasileira, e entre os colegas de profissão. O que também nos importa, para além da recepção polêmica do discurso na mídia e academia, é o fato de Ruffato ter travado, na época, diversos acordos de tradução de suas obras com grandes e pequenas editoras europeias, principalmente alemãs. Três anos depois do ocorrido, qual é o saldo na carreira do escritor?

Leonardo Neto aposta, segundo depoimentos do próprio Luiz Ruffato, que no Brasil nada tenha melhorado em particular (principalmente em relação às vendas, e à recepção crítica da obra do autor) e sugere que o governo brasileiro passou a evitar a presença do autor em eventos oficiais em que o país é convidado ou homenageado. Por sua vez, no exterior, mostra-se crescente a demanda pelo escritor, pois não só está presente em eventos literários, como seus livros traduzidos venderam bem, vem recebendo convites para participar de coletâneas e para novos contratos de publicação de suas obras.

Diante de tais reações, entendemos que o resultado seria a existência de oposição entre a recepção estrangeira e a nacional à produção de Rufatto. Afinal, se o país de origem do escritor reage quase que indiferente (em termos de mercado), ou com o olhar suspeito sobre o artista, como sugere Neto, parece que o exterior o acolhe como uma boa aposta da literatura contemporânea. Sendo assim, uma notícia recente que não pode ser divulgada a tempo por Neto e que parece ratificar a ideia do interesse estrangeiro é o Prêmio Internacional Hermann Hesse a Ruffato e seu tradutor para o alemão, Michael Kegler. Não deixa de ser relevante mencionar que de acordo com a organização do prêmio literário uma de suas principais finalidades seria ressaltar a obra de um artista que não fora ainda devidamente valorizado.

Observando o percurso trilhado por Luiz Ruffato na direção da internacionalização de sua carreira, podemos afirmar que o autor parece investir nos frutos colhidos após a Feira de Frankfurt que podem garantir a ele a construção de um nome sólido e reconhecido em solo estrangeiro.

Link para a matéria:  Os dois lados do ‘Efeito Ruffato’

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s